Notícias

Conheça exemplos da sociedade civil e do poder público que apoiam ressocialização de ex-detentos

Por Redação, 27/10/2019 às 10:52
atualizado em: 27/10/2019 às 17:11

Texto:

Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Marcos Santos/USP Imagens
00:00 00:00

Na última reportagem da série especial “Segunda chance: realidade ou ilusão”, João Felipe Lolli mostra duas iniciativas que capacitam, acolhem e dão oportunidades a detentos no fim do cumprimento de pena e também aqueles que deixaram as penitenciárias. 

Ouça a reportagem completa com João Felipe Lolli

Leia também: Preconceito é principal entrave para volta de ex-detentos ao mercado de trabalho
'Segunda chance - realidade ou ilusão': você daria oportunidade para um ex-detento?
Associações defendem mais qualificação e oportunidades profissionais para detentos
Uma das maiores do país, penitenciária da Grande BH tem 800 detentos trabalhando
A história de pessoas que deixaram a prisão e buscam a ressocialização em MG

A psicóloga e pedagoga Andrea Ferreira é fundadora da Associação Mineira de Educação Continuada (Asmec). Há 17 anos, faz a ponte entre detentos, egressos do sistema penitenciário e o mercado de trabalho. Ela diz que não garante vaga para ninguém, mas segue aquela máxima de não dar o peixe, mas ensinar a pescar. “A verdade, o que a gente quer é qualificar essa mão de obra e preparar essa pessoa para a volta à sociedade”.

Segundo a Prefeitura de Contagem, na Grande BH, 60 presos trabalham no calçamento de vias em sete bairros, projeto que iniciou em setembro e com término previsto para fevereiro, recebendo R$ 750 como remuneração. Outros 60 detentos devem ser contratados, fazendo deste projeto “a maior mão de obra carcerária em obras públicas de mobilidade urbana do país”, segundo a assessoria da prefeitura. 

PresPI

O Programa de Inclusão dos Egressos do Sistema Prisional (PresPI) é uma política de estado em Minas Gerais. Existe há 14 anos, com a importância reconhecida por diferentes governos, desde o PSDB, de Aécio Neves, passando pelo PT, de Fernando Pimentel e agora pelo Novo, de Romeu Zema. O programa está presente na capital e em mais 11 cidades mineiras, conta com uma equipe de 57 profissionais, entre psicólogos, pedagogos, assistentes sociais e advogados. 

Foram 15.279 atendimentos de janeiro a setembro deste ano. 

Diante da realidade brasileira que é de falta de empregos, somada ao preconceito que muitos ex-detentos enfrentam, incentivar iniciativas empreendedoras tem sido uma solução. 

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link