Notícias

Homem é preso suspeito de dirigir embriagado e provocar acidente com morte de sobrinha em Sabará

Por Redação , 12/07/2019 às 18:33
atualizado em: 12/07/2019 às 18:59

Texto:

Ouça na Íntegra
00:00 00:00
Foto: Ana Cecília Carneiro/Itatiaia
Ana Cecília Carneiro/Itatiaia

Galeria 2


Veja mais fotos

A Polícia Civil apresentou na tarde desta sexta-feira o caso de um homem que foi preso suspeito de dirigir embriagado e provocar um acidente em que morreu a sobrinha dele de 5 meses na BR-381, em Sabará, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, em maio deste ano. 

Além do bebê que morreu, outras quatro pessoas que estavam no carro se feriram e outras duas que estavam em um ponto de ônibus foram atropeladas. 

De acordo com a delegada Larissa Nunes, o suspeito, Aricrenes Paula de Jesus, de 31 anos, classifica o acidente como uma fatalidade e nega que tenha ingerido álcool. “Ele fala que as pessoas sabiam que ele era inabilitado e que ele não tinha feito ingestão de bebidas alcoólicas no dia, mas a gente tem vários indícios. Tanto é que foram encontradas garrafas de bebida e latas de cerveja dentro do veículo que se envolveu na colisão. As declarações que constam no inquérito contam que ele já estava nessa festa com familiares desde o dia anterior fazendo o uso de bebidas alcoólicas”.

Segundo as investigações, Aricrenes e os outros ocupantes do carro estavam indo comprar mais bebida alcoólica na hora do acidente. “Ele estava na festa desde o dia anterior, pegou a condução do veículo, os pais da criança e outras pessoas também entraram no veículo e foram comprar bebidas alcoólicas em Santa Luzia e em Belo Horizonte. Quando eles estavam regressando, na BR-381, em uma pista com faixa contínua e em um local totalmente proibido de fazer conversão, ainda que com excelente visibilidade, aconteceu o acidente. Outro carro veio em sentido oposto e colidiu com ele”.

Aricrenes disse que se desesperou após o acidente e que fugiu, pois não sabia o que fazer. “Eu saí fora de mim mesmo quando eu vi minha sobrinha, minha cunhada também, para mim ela tinha falecido. Eu saí correndo desesperado, eu tentei socorrer minha sobrinha, minha cunhada. [Estava] todo mundo me xingando, querendo bater em mim, falando ‘você tem que morrer, desgraçado’. Eu não aguentei o desespero de ver eles ali no chão, saí correndo no mato sem destino, sem rumo nenhum”.

Chorando, Aricrenes lamentou o ocorrido e relatou que nem ele e nem os outros ocupantes do veículo preveniram o acidente. “Eu sei sim que eu poderia muito bem naquele dia ter falado ‘não, eu não vou levar’. Se eu imaginasse que isso ia acontecer, nem de casa eu saia”.


 

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link