Notícias

Ex-funcionário dos Correios usa o trabalho na cadeia para redimir pena e preencher o tempo

Por Renato Rios Neto , 29/08/2017 às 17:41
atualizado em: 31/08/2017 às 17:05

Texto:

Ouça na Íntegra
00:00 00:00
Foto: Renato Rios Neto
Renato Rios Neto

Cabeça vazia é a oficina do diabo. Um ditado que dentro de uma penitenciária de segurança máxima se torna uma verdade absoluta. Se na rua a maioria dos condenados escolheu o crime como meio de vida, atrás das grades, aqueles que tem bom comportamento podem ter direito ao trabalho, uma forma de diminuir a pena com a remissão e, principalmente, de ocupar a cabeça.

Para ter acesso ao trabalho, o detento tem que obedecer a uma série de requisitos, como explica o diretor de segurança da penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, Catulo Gomes.

“A partir do momento em que o recluso é entregue a uma penitenciária, ele tem direitos e deveres. Se ele não cumprir com os deveres, alguns direitos serão restritos. A partir do momento em que o recluso comete alguma falta disciplinar, fica suspenso de ter algum benefício como o trabalho”, diz Gomes.

Nos postos de trabalho da Nelson Hungria histórias de vida marcadas por escolhas erradas. Pessoas que optaram pelo crime e agora sentem as consequências desses atos.

Seja pelo dinheiro, pela história de vida, pelas drogas, como é o caso de Alessandro da Costa Andrade, de 40 anos, um ex-funcionário dos correios, que abandonou o emprego para entrar de cabeça no mundo do crime. Ele tem passagens por homicídio, sequestro e assalto a mão armada e cumpre pena de 63 anos.

“Quando eu vi que ia ficar preso alguns anos eu [percebi] que tinha que recuperar esse tempo de alguma forma. Eu já me formei no fim do ano passado no ensino médio e todas as oportunidades que são me dadas para ler eu abraço”, conta Alessandro.

Ele afirma que entrou para a vida do crime devido às drogas, e que, se não fosse ela, estaria bem aqui fora. O emprego, diz, “foi uma oportunidade de ouro que eu perdi por más companhias”.

Por isso, acredita que o crime não compensa e manda um recado para quem quer entrar nessa vida. “Se eu não estivesse preso, eu já estaria morto. Dê valor ao pai, à mãe e estude. A vida de preso não é boa igual as pessoas falam, não. É boa para quem não gosta de trabalhar, correr atrás, para quem não tem perspectiva de vida. Para mim, que tenho a minha família, isso aqui não é vida, não. Eu quero mudar de vida quando sair daqui”, relata.

Escreva seu comentário

Preencha seus wdados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Crime em escola de Goiânia foi inspirado em Columbine e Realengo, diz delegado: https://t.co/xd710UKtRi https://t.co/nCmeQ82Er2

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O Bastidores com @alvarodamiao já está no ar! Fique ligado que tem sorteio de 3 pares de ingressos de camarote para… https://t.co/Jfb2XhuI7g

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Poxa, Elias! "Sete jogos, três suspensões. Essa é a fase do volante Elias no Atlético. Por causa de uma atitude irresponsável do jogador, o técnico Oswaldo de Oliveira não po...

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Fora de Série - Feira Mix No dia 28 de outubro, de 9h às 16h, acontecerá o próximo projeto Campus Aberto – UniBH Buritis. O objetivo é estreitar o relacionamento da instituiç...

    Acessar Link