Unimed - Hospital Betim - Internas

Notícias

Dengue: prefeitura aposta em ferramentas para combater aedes aegypti

Por Jacqueline Moura/Itatiaia, 29/03/2019 às 13:49
atualizado em: 29/03/2019 às 13:56

Texto:

Na tentativa de evitar a proliferação da dengue, a prefeitura de Belo Horizonte lançou uma ferramenta de combate à doença. Este ano já são 1.094 casos confirmados. O perigo também vem da Região Metropolitana. Betim, por exemplo, está sofrendo uma epidemia de dengue, com 4.300 casos, quatro vezes mais do que na capital. A partir de agora, a população da capital mineira pode receber alertas através de mensagens de SMS, enviadas para celular. 

Para ter acesso ao serviço de mensagens, basta o morador fazer a solicitação por meio do número 40 199, que é o cadastro nacional para emissão de alertas de risco, não só biológico, como no caso da dengue, mas também geológicos, como desabamentos, hidrológicos, no caso de alagamentos, enchentes entre outros. 

“O combate à dengue é uma missão muito importante para a Defesa Civil. No último surto que tivemos da doença, em 2016, cerca de sessenta pessoas morreram por causa da doença. Por isso, estamos engajados no combate ao mosquito. Vamos mandar mensagens de alerta no celular das pessoas para orientar o combate aos focos dos mosquitos para que a população também ajude nesta guerra contra essa praga”, detalha o coordenador da Defesa Civil de Belo Horizonte, Valdir Figueiredo.

Outro meio de combate ao aedes aegypti é o fumacê. A cidade não tem mais as caminhonetes espalhando inseticida em direção às casas. A ferramenta que combatia o mosquito foi substituída por outra mais atualizada, chamada UBV portátil. A sigla que significa ultra baixo volume, consiste na aplicação do inseticida feita de casa em casa, por agentes do setor de zoonoses, é só é realizada após um estudo dos locais com maior registro de casos. 

“Essa ferramenta deve ser utilizada como última alternativa e de forma complementar às outras ações desenvolvidas, principalmente a eliminação de focos do mosquito”, explica Eduardo Viana, Diretor de Zoonoses da Secretária de Saúde de Belo Horizonte. 

De acordo com o especialista, a utilização do químico não é a saída técnica para controlar uma epidemia de dengue. O inseticida tem o efeito limitado e só elimina os mosquitos adultos presentes no local, os focos continuam vivos e novos mosquitos vão infestar a área novamente.  “Volto a destacar a importância da participação popular em seguir as orientações básicas, evitando locais que acumulam água parada e que estejam destapados”, alerta.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Após quase quatro horas de reunião com ministro, caminhoneiros descartam greve: https://t.co/mtdeuEaw9X https://t.co/5ooUqtD4nT

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Categoria ouviu a promessa de que o governo vai fiscalizar o cumprimento da tabela de preços mínimos para o frete rodoviário

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    ⚽ Em entrevista exclusiva à Itatiaia, Adriano Aro disse que não houve um único motivo para o desligamento de Giuliano Bozzano da chefia de arbitragem: “Foi uma soma de fatores”

    Acessar Link