Notícias

Cruzeiro atinge 90,6% de risco de cair após derrota; ‘temos que acreditar’, diz volante Henrique

Por Redação/Agência Estado, 02/12/2019 às 23:17
atualizado em: 03/12/2019 às 12:04

Texto:

Foto: NAYRA HALM/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO
NAYRA HALM/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

O semblante dos jogadores do Cruzeiro após a derrota por 1 a 0 para o Vasco, em São Januário, pela 36ª rodada do Campeonato Brasileiro, traduziu bem a situação do clube na tabela de classificação. Alguns atletas, como o lateral Orejuela, deixaram o gramado chorando. O volante Henrique, um dos poucos a dar entrevista ao fim do jogo, lamentou a situação da equipe, que ficou ainda mais perto do inédito rebaixamento para a Série B – de acordo com o Departamento de Matemática da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), o risco de queda da Raposa subiu para 90,6%.

Mesmo com o Cruzeiro não dependendo das próprias forças, Henrique acredita que o time poderá vencer os dois últimos jogos (Grêmio, em Porto Alegre, e Palmeiras, em Belo Horizonte) e contar com um tropeço do Ceará – agora, o único concorrente da equipe celeste na luta contra a degola e que tem 9,4% de risco de queda. Além de somar seis pontos, a Raposa ainda precisaria de uma derrota do Vovô nas duas partidas restantes: Corinthians (casa) ou Botafogo (fora).

“É vencer, buscar duas vitórias. Temos que buscar duas vitórias e torcer por uma derrota do Ceará para nos livrarmos. Buscar, acreditar... se há a possibilidade, então temos que acreditar, por mais difícil que seja”, disse o camisa 8.

Capitão e uma das lideranças do grupo do Cruzeiro, Henrique disse que também sente o momento ruim do clube, assim como os jogadores mais novos. “Não é que eu não sinto. Eu também sinto. Por mais que eu esteja nesta posição, nós também temos sentimentos. Continuo tendo esperança, tendo fé e que nós vamos fazer de tudo para tirar o Cruzeiro desta situação que nós mesmos nos colocamos”, afirmou.

Há sete jogos sem vencer, o Cruzeiro ocupa a 17ª colocação, com 36 pontos, dois a menos do que o Ceará, o primeiro fora da zona de rebaixamento.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link