Notícias

Crefisa é multada pela Receita Federal e contrato com o Palmeiras passa a ter novo formato

Por Agência Estado, 23/01/2018 às 11:17

Texto:

A aquisição de Lucas Lima inaugurou um novo formato de contrato entre o Palmeiras e a Crefisa. A patrocinadora pagará em três parcelas semestrais os cerca de R$ 17,5 milhões pelas luvas e as comissões aos empresários do jogadores, já dentro dos moldes de um acordo recente. A partir de agora, todo atleta adquirido com recursos da empresa será repassado ao clube como empréstimo. Antes, era registrado pelo Palmeiras, mas ligado à empresa por um contrato denominado “compra de propriedade de marketing", o que resultou em problemas fiscais.

O aditivo contratual foi a solução encontrada para a patrocinadora evitar novos problemas com a Receita Federal. Em setembro do ano passado, o órgão multou a Crefisa em mais de R$ 30 milhões, referentes ao investimento em contratações entre 2015 e 2016. A multa já foi paga.

No entender da Receita Federal, a operação para a contratação de reforços exigia tributação sobre o valor total. Mas os valores desembolsados pela Crefisa não eram tributados porque apareciam na contabilidade da empresa como despesa. O órgão não concordou e definiu as operações como empréstimo.

Pela análise da contabilidade da Crefisa feita pelos auditores, ao aparecer como despesa o dinheiro repassado para reforços interferia na tributação por diminuir o lucro. A assessoria de imprensa da Receita Federal afirmou que, por questões de sigilo fiscal, não comentaria o caso.

A presidente da Crefisa, Leila Pereira, confirmou o novo contrato. “Fizemos a alteração para se adequar totalmente às exigências da Receita Federal. O clube não foi prejudicado por isso”, disse ao Estado na última sexta-feira. O departamento jurídico do Palmeiras elaborou o novo texto em dezembro.

Antes, a Crefisa investia nos reforços com a compra de propriedades de marketing para ter a garantia de aparição do jogador em ações publicitárias e exploração de direitos de imagem. A empresa recebe o dinheiro de volta quando o atleta é negociado.

O Estado apurou que, no acordo recente, as operações para reforços foram detalhadas e classificadas como empréstimo com correção de valor pela CDI, escolhida por ser uma das remunerações mais baixas do mercado, de 0,5% ao mês. O imposto sobre a operação financeira será bancado pela Crefisa. Caso o jogador contratado seja revendido por um valor inferior ao pago, o Palmeiras tem dois anos para devolver a diferença.

A necessidade de reformular o acordo fez tanto o clube como a empresa se conterem nesta janela de transferências. O Palmeiras só recorreu à Crefisa após a regularização do contrato. A transferência inaugural foi a de Lucas Lima. Para trazer o meia, ex-Santos, foi preciso fixar o pagamento de valores ao jogador, ao pai dele e aos empresários. Do salário de R$ 600 mil, metade será pago pela empresa.

Os contratos antigos também foram afetados: passaram a ter dois aditivos para se adequar às determinações. A Crefisa já investiu cerca de R$ 130 milhões em jogadores. A multa foi referente aos exercícios de 2015 e 2016. O ano passado ficou fora desta primeira análise. A empresa decidiu se antecipar e pagar 40% de imposto sobre os mais de R$ 80 milhões gastos em contratações em 2017.

Desde 2015, a patrocinadora investiu em 12 reforços para o Palmeiras. Apenas neste ano, precisará desembolsar quase R$ 60 milhões em parcelas e salários de contratações realizadas na temporada anterior.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Bolsonaro provoca presidente da OAB: 'Posso contar como o pai dele desapareceu' https://t.co/VL1QAuI1sI https://t.co/uO2itrIBJh

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link