Notícias

CBF vai recomendar o fim do treino de cabeceios para crianças, seguindo EUA e Escócia

Por Agência Estado, 17/02/2020 às 10:00
atualizado em: 17/02/2020 às 10:11

Texto:

A CBF recomendará aos clubes e escolinhas de futebol que crianças menores de 12 anos não treinem cabeceios na bola. A medida segue a de países como Estados Unidos e Escócia, que proibiram esse tipo de trabalho na base, e tem por objetivo prevenir problemas cognitivos, como distúrbio de atenção, memória de fixação e memória verbal.

Médico e neurocirurgião da CBF, Jorge Pagura disse que a entidade tem realizado pesquisas e debatido cada vez mais com profissionais de diferentes países sobre a saúde dos atletas. A entidade brasileira ainda não tem um protocolo pronto de como será a recomendação. A iniciativa está em fase de desenvolvimento. "Vamos informar, fazer a recomendação, mas sem alarmar ninguém, é lógico", revelou ao Estado.

Segundo Pagura, não há comprovação científica de que o impacto da bola de futebol na cabeça da criança cause algum dano, mas ele ressaltou que a prevenção nessa idade é importante. "Até os 13 anos é o período de formação do sistema nervoso, portanto, qualquer medida preventiva para evitar traumas na cabeça é bem-vindo", declarou. O entendimento da entidade é que até o início da adolescência o futebol de ser encarado como atividade lúdica, sem priorizar muito a parte técnica. "Não se pode fazer craque com essa idade. Esse é o período de se ver as aptidões", disse.

Coordenador do departamento de neurologia pediátrica do Sabará Hospital Infantil, Carlos Takeuchi defende a iniciativa da CBF e sugere a expansão para jovens até 18 anos. "É óbvio que não se pode ficar batendo cabeça. Nunca é bom. E isso vale para qualquer idade. No esporte há muitos casos de demência causadas por excesso de pancadas na cabeça. Para mim isso não devia ser estimulado para nenhum atleta. Pelo menos até atingir a maioridade."

Pagura acha que é exagerado pedir que jovens com menos de 18 anos sigam essa cartilha. "Mas crianças até 12 anos acho extremamente importante fazer esse tipo de orientação".

Os Estados Unidos foram pioneiros nesse movimento e em 2015 proibiram o cabeceio em treinos e jogos para crianças de até dez anos. A decisão foi motivada após um grupo de pais e jogadores entrarem na Justiça contra a US Soccer e a Fifa. No país norte-americano, o futebol também é influenciado por outros esportes que têm maior impacto na cabeça e mais casos de concussão cerebral, como o futebol americano e o hóquei no gelo.

A Escócia tornou-se no início deste ano o primeiro país europeu a adotar medida semelhante. A Federação Escocesa de Futebol proibiu o cabeceio na bola para jovens de até 12 anos.

APOIO DOS PAIS - O consultor de vendas Fábio Leandro Alves dos Santos acompanha a filha Victória de perto no futebol. Ele concilia o trabalho autônomo à rotina de treinos da garota de nove. De segunda, quarta e sexta ela tem futsal no PS9. De terça e quinta no início da tarde, vai no São Paulo. E quinta no final da tarde na escolinha do Paris Saint-Germain. O pai fica encostado no alambrado com o telefone celular na mão para registrar em vídeo as jogadas da caçula. O filho mais velho, Murilo, de 12 anos, nunca gostou de futebol. "O negócio dele é videogame". Mas ela puxou o pai, que aprendeu a jogar futebol nas categorias de base da Portuguesa e conta que deu muito drible no ex-jogadores Zé Roberto e Rodrigo Fabri.

Victória treina com os meninos no sub-11 do PSG e é um dos destaques. "Não importa o time, sempre dão a camisa 10 para ela. Chamam ela de Martinha", conta o pai orgulhoso. Fábio concorda com a nova medida que deve ser implementada pela CBF. "Eles estão em formação. Sei que já tem algumas escolinhas que adotam essa medida. Essa questão do cabeceio sou a favor da proibição. Precisa haver idade mínima. Mais para frente poderão treinar esse fundamento", opinou.

O advogado Marcos Tilelli leva o filho Mateus para as escolinhas de futebol desde quando ele tinha quatro anos. O garoto tem 11 anos hoje é o mais alto da turma no PSG. Uma de suas qualidades é o cabeceio. "Ele sabe fazer o movimento, usa a testa e nunca reclamou de dor. Mas é algo que tem que se observar. Concordo que tenha de se precaver nesse assunto", disse o pai.

Marcos lembrou que na infância teve muita dor de cabeça por causa da bola que era usada no futsal. "Fui a muito médico na época e não descobriam o problema. Até que uma benzedeira sugeriu que evitasse cabecear a bola nos treinos e nos jogos e funcionou. Não sei se fazia errado, mas tive muito problema por isso."

Formado em gestão esportiva, Diego Jatobá é sócio-diretor da PSG Academy Brasil e vê com ressalvas a intenção da CBF. "Acho que se houver estudo com especialistas da área sugerindo, por que não seguir? Mas temos opções. A gente pode fazer trabalhos de cabeceio com uma bola mais macia, por exemplo. Acho importante a criança começar a ter essa noção. Claro que não vou colocar bola dura, mas o gesto corporal, motor, é importante", opinou.

O trabalho de cabeça não é estimulado em sua escola de futebol. Os garotos treinam com bola de futebol society, que quica menos e assim diminui também a possibilidade de haver choques de cabeça com cabeça. O Estado acompanhou um dia de treino da escolinha do PSG e não houve sequer um cabeceio durante duas horas de atividade. Diego disse que o local segue a cartilha de treino do clube parisiense. Por isso, não bastaria vir somente orientação da CBF. Teria de haver uma decisão na Europa para mudar o treino dessa escolinha.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    ⚽️ Jogador afirmou não guardar mágoa do Cruzeiro e disse que tem amigos no clube celeste.

    Acessar Link