Notícias

Autor de latrocínio que chocou Minas em 2012 pede perdão, e pai da vítima responde por carta

Por Renato Rios Neto, 31/08/2017 às 15:30

Texto:

Ouça na Íntegra
00:00 00:00

Renato Rios Neto/Itatiaia

A penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, é a morada de condenados por crimes que ganharam as páginas e manchetes do jornalismo policial.

Os anos se passam, as manchetes são esquecidas, mas atrás das grades ainda estão alguns dos autores dos delitos que mais chamaram a atenção de Minas Gerais.

Um deles foi o latrocínio – roubo seguido de morte – de Bárbara Quaresma, de 22 anos, no Bairro Cidade Nova, na Região Leste de Belo Horizonte, em maio de 2012. A jovem foi baleada por bandidos que queriam o carro em que ela estava com o namorado.

A reportagem da Itatiaia encontrou, em uma oficina de pintura dentro de um pavilhão da penitenciária, o homem condenado por este crime chocante. O suspeito estava cabisbaixo, com uma Bíblia nas mãos e pintando um quadro. O autor do latrocínio, Thiago Henrique Fernandes, de 25 anos, foi condenado a 27 anos de prisão.

Conversão

"Desde os meus 12 anos eu estava no crime, mas para a glória de Deus eu não sou aquela pessoa do passado mais não. Hoje eu sou o irmão Thiago", relata. "Na lei do homem", diz, sua pena vai até 2032, mas ele alerta que a "última palavra é de Deus". "Quando a gente está nas trevas, a gente é completamente cego. A gente faz as coisas guiados por muitas coisas ruins", ressalta.

O detento disse estar arrependido do crime e pediu perdão à família da vítima. "Não vai trazer ela de volta, nada pode mudar a [situação] da mãe dela, mas eu só queria mesmo que ela soubesse que arrependido eu estou, de coração mesmo, e que ela pudesse estar me perdoando", declarou, fazendo o mesmo pedido aos demais parentes e ao então namorado da jovem.

Segundo o presidiário, no crime ocorreu um desacerto, houve uma atitude inesperada, e ele reagiu no susto. "Isso me traz um trauma até hoje. Eu aprontei muito, não sou nenhum santo, mas eu jamais poderia imaginar que eu ia tirar a vida de uma pessoa inocente, que nunca me prejudicou, que nunca fez nada para atrasar o meu lado, e isso me doeu muito desde aquele dia. Iso, para mim, é um espinho na carne. Hoje em dia eu posso falar a você com toda a sinceridade que, de crime, eu tomei nojo."

Como outros personagens aqui entrevistados, Thiago afirma que não compensa entrar para o mundo do crime. "Não vale a pena, não. Nem um pouco. É só ilusão. Tudo o que a gente vive ali é ilusão. Não adianta: vai plantar ali e vai colher tudo aquilo de ruim que você plantou", alerta.

Carta

A reportagem procurou a família de Bárbara para repercutir as palavras de Thiago. O pai da jovem, o professor Gustavo Neves, que mora em Aracaju, ouviu a entrevista do condenado e escreveu uma carta em que diz ficar feliz com programas de evangelização na prisão, mas que, como pai, nada disso trará a filha dele de volta e nem minimizará a dor.

O professor revela que gostaria de acreditar na recuperação dessas pessoas, mas teme que, nas ruas, elas se esqueçam do evangelho e voltem a praticar atrocidades, principalmente num país onde os políticos não ajudam.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Ministério de Bolsonaro terá mais militares do que em 1964: https://t.co/sD6HDUip4B https://t.co/eMoe55CzvJ

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Comparado aos outros governos que sucederam o general, o do presidente eleito está no mesmo patamar da gestão do general Emílio Garrastazu Médici, que tinha sete ministros mil...

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    As armas estavam dentro de uma sacola em um matagal na BR-040

    Acessar Link