Notícias

Aumento do preço da carne bovina chega a mais de 50%; entenda os motivos

Por Redação , 27/11/2019 às 08:43
atualizado em: 27/11/2019 às 10:56

Texto:

Ouça na Íntegra
00:00 00:00
Foto: Gabriel Rezende/Itatiaia
Gabriel Rezende/Itatiaia

O preço das carnes de boi, porco e aves está até 50% mais caro em todo o país. Esse aumento, maior do que o tradicional nesta época, deve-se à maior compra de carnes da China, a alta do dólar, que estimula as exportações, e também ao valor mais caro de insumos utilizados na produção de carnes.

Ouça a reportagem completa com João Felipe Lolli

O analista de agronegócio da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), Wallisson Lara, explica o aumento. “É a avidez pelas carnes brasileiras, especialmente devido à epidemia da peste suína africana que acometeu o rebanho de suínos na China, 40% [do rebanho] já foi dizimado. O que se espera é que esse patamar de exportação para China continue ainda no curto prazo até normalizar a demanda daquele país”.

A alta do dólar e o preço da soja e do milho, insumos usados para alimentar os animais, também fortalecem o aumento do preço da carne. “A gente pode vislumbrar para os próximos meses, janeiro principalmente, onde que o mercado consumidor tende a estabilizar devido a impostos, população descapitalizada, greve escolar, as famílias comprometidas com materiais escolares. Isso compromete o consumo de carnes, e com isto a tendência é que o mercado se ajuste e os preços tendem a dar uma arrefecida (enfraquecida)”, destaca.

Reflexos para bares e restaurantes

Essa oscilação no preço das carnes traz impactos também para bares e restaurantes, de acordo com Lucas Pêgo, diretor de desenvolvimento da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel). “Não há mágica, com o aumento do preço da carne em mais de 50%, os estabelecimentos que não conseguem adaptar os seus cardápios são obrigados a repassar o preço para o consumidor”.

Nos estabelecimentos de comida a quilo e naqueles que conseguem trabalhar com sugestões do Chef, com pratos executivos, existe a possibilidade de se trabalhar com outros tipos de proteína, com o suíno com frango com o peixe, mas no caso da carne bovina vai ter um inevitável repasse para o consumidor, destaca Lucas Pêgo.

Segundo ele, a Abrasel fez um levantamento com um estabelecimento de Goiânia, que há duas semanas comprava picanha por R$ 39 e agora compra por R$ 51. A fraldinha e o baby beef, ele comprava por R$ 24 e agora por R$ 36, mais de 50% de aumento.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link