Gustavo Lopes

Coluna do Gustavo Lopes

Veja todas as colunas

Marca de cerveja pode patrocinar futebol?

Considerando a relação intrínseca, é natural que as empresas cervejeiras queiram atrelar seu nome a esse esporte

13/04/2018 às 02:01

Criada pelos sumérios por volta de 2100 a.C, a cerveja teve sua primeira norma regulamentadora em 1760 a.C, a lei “Estela de Hamurabi”, que condenava à morte quem não respeitasse os critérios de produção da bebida. Essa norma tratava da comercialização, fabricação e consumo de cerveja e estabelecia uma fração diária para o povo da Babilônia, a saber: 2l para os trabalhadores, 3l para os funcionários públicos e 5l para a nobreza.

Quatro mil anos depois, ainda existem normas relacionadas à cerveja, especialmente para limitar o consumo do líquido.

No futebol brasileiro, a venda e consumo de bebidas alcoólicas nos estádios de futebol iniciou nos anos 2000 sob o fundamento de que havia proibição no Estatuto do Torcedor e de que o seu consumo potencializaria a violência, apesar de não haver vedação expressa ou comprovação de que causasse violência.

Após a Copa do Mundo de 2014, quando se vendeu e consumiu cerveja nos estádios, gradativamente a bebida tem retornado às arenas nas partidas de competições locais.

Outro ponto que gera bastante debate é a vinculação de marcas de cerveja com atividades esportivas.

As propagandas de cigarros, bebidas alcoólicas, medicamentos, terapias e defensivos agrícolas são tratadas pela Lei 9.294/96, que regulamenta o art. 220 da Constituição Federal:

Art. 220. A manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo, não sofrerão qualquer restrição, observado o disposto nesta Constituição.

§ 3º Compete à lei federal:

        II -  estabelecer os meios legais que garantam à pessoa e à família a possibilidade de se defenderem de programas ou programações de rádio e televisão que contrariem o disposto no art. 221, bem como da propaganda de produtos, práticas e serviços que possam ser nocivos à saúde e ao meio ambiente.

    § 4º A propaganda comercial de tabaco, bebidas alcoólicas, agrotóxicos, medicamentos e terapias estará sujeita a restrições legais, nos termos do inciso II do parágrafo anterior, e conterá, sempre que necessário, advertência sobre os malefícios decorrentes de seu uso.

Assim dispõe a Lei 9294/1996:

Art. 1º O uso e a propaganda de produtos fumígeros, derivados ou não do tabaco, de bebidas alcoólicas, de medicamentos e terapias e de defensivos agrícolas estão sujeitos às restrições e condições estabelecidas por esta Lei, nos termos do § 4° do art. 220 da Constituição Federal.

Parágrafo único. Consideram-se bebidas alcoólicas, para efeitos desta Lei, as bebidas potáveis com teor alcoólico superior a treze graus Gay Lussac.

As cervejas possuem teor alcoólico inferior a 13 graus. Dessa forma, para fins das restrições à propaganda, ela não é considerada bebida alcoólica.

Portanto, o patrocínio de entidades esportivas, atletas, competições e etc são legais.

O CONAR – Conselho de Auto-regulamentação Publicitária (entidade civil privada) –, que não tem autorização legal para estabelecer proibição, recomenda em seu Anexo P o seguinte:

3. Princípio do consumo com responsabilidade social: a publicidade não deverá induzir, de qualquer forma, ao consumo exagerado ou irresponsável. Assim, diante deste princípio, nos anúncios de bebidas alcoólicas:

l. não se utilizará uniforme de esporte olímpico como suporte à divulgação da marca.

O Conar foi criado nos anos 70, durante a Ditadura Militar como forma de impedir a ameaça governamental de censura prévia às propagandas e sua função é de manter a ética publicitária.

Já que é uma associação privada organizada por anunciantes, agências de publicidade e veículos de comunicação, as decisões do CONAR não possuem poder punitivo e são de cumprimento espontâneo.

Além de não ser obrigatória, a proibição do Conar não é de cumprimento obrigatório, razão pela qual os clubes de futebol podem divulgar marcas de cerveja em suas camisas.

Destaque-se que não existe qualquer limitação para que árbitros, comissão técnica e outros personagens do evento esportivo que não sejam os atletas estampem marcas de cerveja em suas camisas. Não há limitação, também, para o futsal ou beach soccer, já que não são esportes olímpicos.

Em 2016, a marca espanhola “Estrella Galícia” patrocinou o Corinthians, mas acatou o Anexo P do Conar e somente veiculou sua marca de cerveja sem álcool, apenas nas camisas de treino e de viagem.

O Brasil é um dos poucos países que traz, no futebol, alguma limitação aos patrocínios de marcas de cerveja (quarta bebida mais vendida no mundo, atrás do café, do chá e do suco de laranja).

Entre 1996 e 2001, por exemplo, a cerveja Quilmes, patrocinou a duas equipes mais populares da Argentina: Boca Juniors e River Plate. Na Inglaterra, a Carlsberg patrocina o Liverpool há mais de duas décadas.

Além de descabida, a proibição aventada pelo Conar não encontra respaldo constitucional e deve ser objeto de combate pelas entidades que a compõem e pela sociedade civil, pois, além de prejudicar a captação de patrocínio pelas grandes equipes de futebol, inviabiliza melhores condições financeiras e de promoção à saúde e ao esporte quando se fala de equipes pequenas e de futebol amador.

Considerando a relação intrínseca, é natural que as empresas cervejeiras queiram atrelar seu nome ao futebol e acabam o fazendo ao patrocinar atletas e treinadores individualmente, equipes fora do gramado e competições, como a Copa Kaiser de Futebol Amador, realizada pela Federação Paulista de Futebol.

Não faz sentido o fundamento ético que embasa a proibição do Conar.

Enquanto as agências de publicidade não se voltarem contra a norma da auto-regulamentação do Conar e contratarem patrocínios para camisas de equipes de futebol, anualmente as grandes equipes perdem a oportunidade de receber investimentos milionários, e as equipes menores e amadores perdem a chance de existir.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Bolsonaro provoca presidente da OAB: 'Posso contar como o pai dele desapareceu' https://t.co/VL1QAuI1sI https://t.co/uO2itrIBJh

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link