Emanuel Carneiro

Coluna do Emanuel Carneiro

Veja todas as colunas

Uma reflexão sobre o superclássico

05/03/2018 às 02:11

(Bruno Cantini/Divulgação)

Há alguns anos era impensável um Atlético e Cruzeiro no Independência, às 11 horas da manhã.

Paciência. O poema de Camões já dizia “mudam-se os tempos, mudam-se as vontades”.

O segundo tempo da partida foi disputado ao meio-dia, num domingo de verão quente.

Vamos ao jogo. O técnico Mano Menezes estava mais bem servido de banco que Thiago Larghi. Entre os preteridos estava, por exemplo, Arrascaeta.

Mano não colocou o Sóbis, optou pelo Raniel, que fez o gol decisivo.

O Atlético lutou muito, teve chances muito boas, mas jogadores importantes como Elias, Róger Guedes e Ricardo Oliveira estiveram abaixo do previsto.

Mesmo com 10 por quase todo o segundo tempo, o Cruzeiro resistiu, redobrou energia e sustentou a vantagem. 

O que tem que ser dito e que muitos atleticanos não concordam é que o Cruzeiro tem hoje um elenco melhor definido, e a disputa por posições está pedindo a entrega total dos jogadores para justificar a camisa do titular.

Ao Atlético cabe analisar, passada a emoção jogo, o limite do atual time e as posições carentes. A mais gritante é a falta de um meia de qualidade para pensar as jogadas. 

No elenco atual não dá para imaginar qualquer opção caseira. Isso causa um desequilíbrio e um buraco negro entre o meio campo e o ataque. Está faltando coragem para apostar em jogadores que despontaram da base e que precisam de chance. Um deles é Marco Túlio, colocado de uma hora para outra como reserva do reserva enquanto se dá chance para Tomás Andrade, um argentino praticamente comum.

A arbitragem de Cleisson Veloso não comprometeu o resultado, embora tenha sido pouco criteriosa na distribuição de cartões. A expulsão do Edilson foi justa. A arbitragem não viu (?), mas o Leo merecia o vermelho direto pelo soco no Ricardo Oliveira.

Um defeito que precisa ser corrigido: os juízes estão permitindo reclamações a todo momento dos jogadores, atrapalhando a dinâmica do jogo.

Valeu o clássico.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link