Emanuel Carneiro

Coluna do Emanuel Carneiro

Veja todas as colunas

A vantagem mudou de lado

O Galo ganhou uma importante batalha, mas a guerra se decide domingo (8), no Mineirão

02/04/2018 às 12:53

Bruno Cantini/Atlético

Com sinceridade, ninguém esperava que o Cruzeiro jogasse tão mal e o Atlético tão bem.

Quando os times e os bancos foram anunciados, dava-se claramente para concluir que Mano Menezes estava melhor servido.

Veio o jogo. O Galo foi pra cima com uma vontade incrível, disputando cada metro quadrado do Independência. A torcida também ajudava, mas as peças principais do time celeste não funcionavam. O primeiro gol desarticulou o Cruzeiro e os dois seguintes vieram por consequência, fechando o primeiro tempo com um 3 a 0 surpreendente.

O Cruzeiro voltou cauteloso no segundo tempo, sabendo que, se fosse atacar de peito aberto, poderia levar o quarto gol e, aí, acabava o campeonato. 

O Atlético se fechou, mas ainda criou chances. Segundo Mano, o gol de Arrascaeta devolveu ao Cruzeiro a luta pelo título.

A grande diferença no superclássico é que o Galo foi um time consciente, lutador e com jogadores muito bem distribuídos na marcação. Valeu também uma vontade incrível de ganhar.

Otero sobrou. Os laterais foram muito bem. Ricardo Oliveira botou a experiência em campo e Adilson ganhou todas.

No Cruzeiro, os grandes nomes foram discretos. Thiago Neves, Robinho, Rafinha e Ariel Cabral ficaram muito abaixo da média, e a zaga bateu cabeça.

Uma boa arbitragem contribuiu para um jogo normal (e olha como é difícil apitar um Atlético x Cruzeiro).

O Galo ganhou uma importante batalha, mas a guerra se decide domingo (8), no Mineirão, e aí é o segundo tempo de um jogo que o Cruzeiro entra em campo perdendo por 3 a 1, mas tem a torcida e o empate (no placar agregado) a favor.

Pra encerrar: se for mantida a palavra dos dirigentes, esse foi o último superclássico no Independência, e mais, com torcida única. Demorou.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link