Eduardo Costa

Coluna do Eduardo Costa

Veja todas as colunas

Manifestação de insanidade

Punição? Bom, a Polícia Militar tem dificuldades. Afinal, os vândalos escondem os pneus dentro do campus da UFMG, onde a PM não pode entrar – é reduto federal.

19/06/2019 às 09:10


Eu não sou idiota o bastante para ser contra a manifestação. Seria um tiro no pé, pois, sem liberdade de expressão, perco meu direito de ganhar o pão fazendo o que amo. Entretanto, acredito que o direito de alguém termina quando começa o do outro. Tenho comigo que uma das maiores garantias constitucionais desse país é o sagrado direito de ir e vir. Então, me indigno com a omissão de nossas autoridades e o abuso em que se transformaram as ocupações de ruas e avenidas, preferencialmente nos horários e dias em que o movimento é maior. Já falei a respeito um sem número de vezes e volto ao assunto por causa de uma ocorrência, sexta-feira última, na Antônio Carlos. 

No chamado horário de pico, pouco depois das 7 da manhã, algumas dezenas (repito, dezenas) de manifestantes apareceram com os pneus, colocaram fogo e impediram qualquer fluxo de veículos. O Move ficou imóvel e uma passageira de 53 anos, mãe de 8 filhos, aspirou aquela fumaça tóxica. Foi para o Hospital Risoleta Neves e morreu na última segunda-feira. Repercussão? Nenhuma. Nenhum deputado, vereador ou líder dos direitos humanos foi visitar a vítima. Nenhum governante enviou votos de plena recuperação a essa senhora e seus familiares. A sensação é de que ela estava no lugar errado, não devia ter ido trabalhar naquela manhã, fazer uso de transporte coletivo nem passar em frente a uma universidade federal. 

Punição? Bom, a Polícia Militar tem dificuldades. Afinal, os vândalos escondem os pneus dentro do campus da UFMG, onde a PM não pode entrar – é reduto federal. Põem fogo, causam estragos e, quando os soldados chegam, correm de novo para o outro lado da cerca. É verdade que os soldados filmaram e até já repassaram à Polícia Civil as imagens. Mas como punir se a maioria usa “bandanas”, isto é, máscaras. E eu pergunto: faz sentido alguém manifestar na porta de um centro universitário mascarado?
Tristeza. Sem falar nos miguelitos (pregos retorcidos preparados para furar pneus) e que foram espalhados pela cidade também naquela manhã. É inacreditável o silêncio de nossas autoridades, dos que deveriam zelar pela ordem em nosso nome. 
Terra sem lei. Aonde meia dúzia estraga a vida de milhões.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link