Eduardo Costa

Coluna do Eduardo Costa

Veja todas as colunas

Mais Notícias

Cantina do Lucas

Não estou entre seus frequentadores mais assíduos; no entanto, sei o bastante para avaliar a importância das lojas 18 e 19 do piso térreo do Edifício Maleta.

16/01/2013 às 08:22
Cantina do Lucas

Sou daqueles que acreditam na necessidade de viver o presente e olhar para o futuro, conhecendo e respeitando o passado. Incomoda-me profundamente o fato de Belo Horizonte ser uma cidade em permanente mutação, ou seja, é raro você ver uma casa construída há mais de 50 anos e a nossa especulação imobiliária já inclui a compra de prédios antigos, de até cinco andares, para a substituição por espigões. Além de tratar bem os seus habitantes e reverenciar seus heróis, uma cidade deve conservar bens públicos e privados que marcam uma época e isso inclui estabelecimentos comerciais, que devem ter incentivos oficiais para que as futuras gerações possam conhecê-las. Destacaria aqui como exemplos do que é especial nesta cidade o conjuntos de lojas do Mercado Central e da Galeria Ouvidor além de algumas casas destinadas à histórica da boemia, caso da Cantina do Lucas, que está completando 50 anos.

Não estou entre seus frequentadores mais assíduos; no entanto, sei o bastante para avaliar a importância das lojas 18 e 19 do piso térreo do Edifício Maleta. O restaurante foi inaugurado em 1962, com o nome de Chopplândia; depois virou Trattoria di Saatore e, desde 3 de outubro de 1966 é a Cantina do Lucas que, de imediato, tornou-se um espaço de reunião dos que se sentiam atordoados naqueles tempos de ditaduras na América Latina, quando partidos políticos ou sindicatos pouco valiam e era no bar que as pessoas se encontram para conversar, rir e sonhar. Então, cineastas, escritores, poetas, políticos, artistas, advogados e estudantes formavam uma confraria coesa, cujo elo condutor de conversas sempre foi a contestação e a criatividade, segundo relato de Brenda Silveira e Luiz Otávio Horta, que acrescentam:

“A efervescência cultural da época fez da Cantina o anfiteatro das grandes discussões em torno da música (de Tom Jobim aos Stones), do cinema novo de Glauber à Nouvelle Vague de Godard, da arquitetura de Niemeyer, do existencialismo de Sartre, da literatura Beat americana, da Pop Art de Andy Warhol e David Hockney, passando pelo futebol de Pelé e Garrincha rumo ao bi e ao tri, ou, simplesmente, expondo as angústias, alegrias e tristezas do cotidiano de cada um”.

Enfim, a Cantina do Lucas, patrimônio cultural desde 1997, é, como define o Edmar Roque – que a administra desde 1983 – um restaurante que tem identidade própria, “não é a cara do dono”. Viva a “Cantina”!.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link