Eduardo Costa

Coluna do Eduardo Costa

Veja todas as colunas

A crise é de caráter

26/09/2017 às 01:13

Com esse slogan, um político mineiro conseguiu eleger-se vereador em Belo Horizonte e, depois, deputado. Ele mesmo provou, combinando uma coisa comigo e esquivando-se depois, que a crise era de caráter. Mas essa é outra estória. Quero lhe convidar para uma reflexão sobre o mais recente dos escândalos brasileiros por falta de ética entre as pessoas. Mais um bofetão na nossa cara! Alunos dos dois cursos mais disputados – direito e medicina – conseguiram vagas na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) fraudando a própria cor da pele. Escreveram, no ato da inscrição, que eram negros para, assim, diminuir o número de pontos e vencer a corrida dentro das cotas raciais. Segundo o jornal Folha de S. Paulo, que fez a denúncia, são dezenas de casos. Pior: diz o secretário de Políticas Raciais do governo federal, Juvenal Araújo, que a prática é comum em outras universidades brasileiras.

Indecente.

A adoção ou não das cotas é uma polêmica que parece não ter fim no país. Embora respeite os que rechaçam, sou a favor porque conheço razoavelmente as estradas percorridas por pobres e abastados rumo à universidade. Mas não é o assunto que quero discutir.

O que impressiona é como um futuro médico, que terá como missão salvar vidas, ou um advogado que poderá chegar a juiz ou promotor, pode agir assim, passando por cima dos princípios mais básicos para conseguir o diploma.

O que impressiona é como a UFMG trata o assunto, distante, por meio de notas, prometendo se posicionar, ao invés de vir a público, imediatamente, anunciando um pente fino em todos os aprovados dentro do critério das cotas, com a expulsão dos fraudulentos e o envio dos casos para a Justiça.

O que impressiona é a lerdeza do Diretório Acadêmico, lamentando, dizendo que espera providências... Apático, sem o vigor que se espera diante de algo tão grave.

Quantas saudades de minha mãe, aquela mesma que, no almoço de 1º de janeiro de 2001, reagiu impassível à minha provocação. Eu disse: “Ah, dona Miralda, a senhora falou a vida inteira que de mil passará e a 2000 mil não chegará; agora, que chegamos a 2001 e o mundo não acabou, o que vai dizer?” E ela, com a tranquilidade de quem passara dos 80, respondeu com outra indagação: “E não acabou?”. O mundo de fato acabou – pelo menos aquele que ela aprendeu com Raimundo Salvador e nos transmitiu, onde o que é dos outros é dos outros. Como agradeço a Deus as chineladas, as broncas e suas orações, dona Miralda!

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link